NOVEMBRO É O MÊS DE…

DÉCIMO PRIMEIRO PASSO

Procuramos, através da prece e da meditação, melhorar nosso contato consciente com Deus, como nós O concebíamos, rogando apenas o conhecimento de Sua vontade em relação a nós e forças para realizar essa vontade.

Os primeiros dez passos de MADA preparam o terreno para melhorar o nosso contato consciente com Deus, como o compreendemos. Eles nos dão a base para alcançarmos as nossas metas positivas que há muito buscamos. Entrando nesta fase do nosso programa espiritual, através da prática dos dez passos anteriores, a maioria de nós acolhe de bom grado o exercício da prece e da meditação. Nosso estado espiritual é o alicerce de uma recuperação bem sucedida, que oferece crescimento ilimitado.

Muitas de nós começam realmente a apreciar a recuperação quando chegamos ao Décimo Primeiro Passo. Nesse Passo nossas vidas adquirem um significado mais profundo. Ao deixar de controlar, ganhamos um poder muito maior através da rendição.

A natureza da nossa crença irá determinar a maneira como oramos ou meditamos. Só precisamos da certeza de que temos um sistema de crença que funcione para nós. Os resultados contam na recuperação. Nossas preces parecem funcionar, assim que entramos no programa e nos rendemos à nossa doença. O contato consciente, descrito neste passo é o resultado direto da vivência dos passos anteriores. Usamos este passo para melhorar e manter o nosso estado espiritual.

Quando viemos para o programa pela primeira vez, recebemos a ajuda de um Poder Superior; isto se deu com a nossa rendição ao programa. O objetivo do Décimo Primeiro Passo é aumentar a nossa consciência deste poder e melhorar a nossa capacidade de usá-lo como fonte de força em nossas novas vidas.

Quanto mais aprimoramos o nosso contato consciente com nosso Deus, através da prece e meditação, mais fácil dizer: “À medida que crescemos espiritualmente e encontramos um Poder Superior, nossas necessidades espirituais vão sendo satisfeitas e nossos problemas existenciais vão sendo reduzidos”. Assim, a vontade de Deus torna-se para nós a nossa própria vontade.

Deixamos de controlar as pessoas e passamos a deixá-los ser quem são.

É muito importante admitirmos a nossa impotência para, com a ajuda de Deus, nos manter fora de relacionamentos destrutivos. Com o constante contato com o Poder Superior as respostas que buscamos vem até nós e ganhamos capacidade de fazer o que não conseguíamos. Com o poder da oração alcançamos aquilo com que podemos lidar. Com uma atitude de rendição e humildade, retomamos este passo, repetidamente, para recebermos a dádiva do conhecimento e da força de Deus.

Quando chegamos ao Décimo Primeiro Passo, já podemos identificar e lidar com os defeitos de caráter que nos causavam problemas no passado, através do trabalho com os dez Passos anteriores. A imagem do tipo de pessoa que gostaríamos de ser é apenas um vislumbre da vontade de Deus para conosco. Frequentemente, nossa perspectiva é tão limitada que só conseguimos enxergar nossas vontades e necessidades imediatas.

É fácil recairmos em nossos velhos hábitos. Temos que aprender a continuidade do nosso crescimento e da nossa recuperação. Deus não vai nos impor a sua bondade, mas podemos recebê-la se pedirmos. Geralmente sentimos uma diferença na hora, mas só mais tarde é que notamos de fato as diferenças em nossa vida. Quando finalmente tiramos nossos motivos egoístas do caminho, começamos a descobrir uma paz que nunca imaginamos ser possível.

A maioria de nós só reza quando sente dor, aprendemos que se orarmos com mais regularidade não sentiremos dor com tanta frequência ou com tanta intensidade. Através da serenidade algumas coisas que não funcionavam para nós no passado, poderão funcionar hoje. Temos um novo olhar a cada dia com a mente aberta. Sabemos que se rogarmos a vontade de Deus, receberemos o que for melhor para nós. Esse conhecimento é baseado na nossa crença e na nossa experiência em recuperação.

Rezamos para que Deus mostre a Sua vontade, e para que nos ajude a realizá-la. Sua vontade e não a minha. Podemos pedir ajuda de Deus quando precisamos, e nossas vidas melhoram. Em alguns casos a Sua vontade é tão óbvia que temos pouca dificuldade em vê-la.

Em outros estamos tão egocêntricas que só aceitaremos a vontade de Deus depois de muita luta e rendição. Através da prece buscamos o contato consciente com o nosso Deus. Nem sempre a experiência de outra pessoa com a meditação e crenças religiosas individuais, são adequadas para nós. O nosso programa não é religioso, é Espiritual.

A meditação permite nosso desenvolvimento espiritual a nossa própria maneira. Acalmar a mente através da meditação, traz uma paz interior que nos põe em contato com o Deus dentro de nós. O equilíbrio emocional é um dos primeiros resultados da meditação e nossa experiência confirma isso.

Perguntas do Décimo Primeiro Passo:

  1. Estou muito ocupada para orar?
  2. Não tenho tempo para a meditação?

Então me perguntarei se tenho sido capaz de resolver os meus problemas sem ajuda.

À medida que os encaro, dia após dia, desejo reconhecer a necessidade da Sua orientação. Não deixarei que este dia passe, nem qualquer outro dia daqui por diante, sem que me torne sinceramente cônscia de Deus.

Deus está presente em todas as Suas criaturas, mas nem todas estão igualmente cientes da Sua presença.

OUTUBRO É O MÊS DE …

DÉCIMO PASSO

Continuamos fazendo o inventário pessoal e, quando estávamos erradas, nós admitíamos prontamente.

O Décimo Passo nos liberta dos destroços do nosso presente. Se não continuarmos atentas aos nossos defeitos, eles poderão nos levar a um beco sem saída. Se pudermos evitar aquilo que nos provoca a dor, não a sentiremos com tanta intensidade. Continuar a fazer o inventário pessoal significa que criamos o hábito de olhar regularmente para nós mesmas, nossas ações, atitudes e relacionamentos.

Somos criaturas de hábito, e somos vulneráveis a nossas velhas maneiras de pensar, agir e reagir. Às vezes, parece mais fácil continuar no velho trilho da autodestruição do que tentar uma nova rota. Não devemos cair nos velhos padrões. Hoje temos uma escolha.

O Décimo Passo pode nos ajudar a corrigir nossos problemas com a vida e a evitar que eles se repitam. Examine as suas ações durante o dia. Alguns escrevem sobre seus sentimentos, avaliando como se sentiram e qual foi à participação que tiveram nos problemas que tenham ocorrido.

  1. Prejudicamos alguém?
  2. Temos que admitir que estamos erradas?
  3. Caso encontremos dificuldades, nos esforçamos para resolvê-las?
  4. Quando essas coisas ficam pendentes, elas têm um jeito próprio de envenenar o espírito.
  5. Esse Passo pode ser uma defesa contra a velha insanidade. Podemos nos perguntar se estamos nos envolvendo com velhos padrões de raiva, ressentimento e medo.
  6. Sentimo-nos encurraladas?
  7. Estamos arranjando problemas?
  8. Estamos muito famintas, raivosas, solitárias ou cansadas?
  9. Estamos nos levando muito a sério?
  10. Estamos julgando nosso interior pela aparência exterior dos outros?
  11. Estamos sofrendo de algum problema físico?

As respostas a estas perguntas podem nos ajudar a lidar com as dificuldades do momento. Não precisamos mais viver com sensação de mal-estar.

O Décimo Passo pode ser uma válvula de escape. Trabalhamos este passo enquanto os altos e baixos do dia ainda estão frescos na nossa mente. A primeira coisa a fazer é parar! Damos um tempo, e nos permitimos o privilégio de pensar.

Examinamos as nossas ações, reações e motivos. Muitas vezes descobrimos que temos nos saído bem. Isso nos permite verificar nossas ações e a reconhecer os nossos erros, antes que as coisas piorem. Precisamos evitar as racionalizações, prontamente admitindo o erro, não o justificando.

Trabalhar este passo de forma contínua resulta em ação preventiva.

Olhando continuamente para nós mesmas, conseguimos evitar a repetição daquilo que nos torna inadequados. Precisamos deste passo, mesmo quando estamos bem e quando tudo está dando certo. Os sentimentos bons são uma coisa nova para nós e precisamos nutri-los.

Temos o direito de nos sentirmos bem. Temos uma escolha. Precisamos lembrar que todos cometem erros e que nunca seremos perfeitos. Mas podemos nos aceitar.

Prosseguindo com o inventário pessoal, somos libertadas de nós mesmas e do passado. Não justificamos mais a nossa existência. Este passo nos permite ser nós mesmas.

Olhe para si própria, aí se encontram todas as suas respostas.

SETEMBRO é o mês de…

NONO PASSO

Fizemos reparações diretas a essas pessoas, sempre que possível, exceto quando fazê-lo viesse a prejudicá-la ou a outras pessoas.

Às vezes, o orgulho, o medo e a procrastinação parecem ser uma barreira intransponível e obstruem o caminho do progresso e do crescimento.

O importante é partirmos para a ação, e estarmos prontos para aceitar as reações das pessoas que prejudicamos.

Fazermos o melhor que podemos para reparar quaisquer danos e, no momento certo devemos fazer as reparações que se fazem oportunas. Em alguns casos, as reparações podem estar além do nosso alcance. Nesse caso, a boa vontade pode substituir a ação. Entretanto, não devemos deixar de entrar em contato com alguém porque nos sentimos constrangidas, com medo ou por procrastinação. Ao livrar-nos da culpa, não devemos fazê-lo à custa de outra pessoa.

Não temos nem o direito nem a necessidade de colocarmos outra pessoa em apuros. Deve-se pedir orientação a outras pessoas sobre esses assuntos. Aprender a viver bem é, em parte, aprender a saber quando precisamos de ajuda. Em alguns relacionamentos antigos, ainda pode existir algum conflito mal resolvido.

Em muitos casos, só podemos procurar a pessoa e pedir-lhe, humildemente, que perdoe os nossos erros do passado.

Tente sempre se lembrar de que fazemos as reparações por nós mesmas. Em vez de nos sentirmos culpadas ou com remorsos, nós nos sentimos aliviadas do nosso passado. O nono passo nos ajuda com nossa culpa e ajuda o outro com a sua raiva. Às vezes, a única reparação que podemos fazer é ficarmos “limpas”, sem causar confusões por causa da nossa doença.

Devemos isso àqueles que amamos e, principalmente, a nós mesmas. Neste processo, somos devolvidas à sanidade, e parte da sanidade é, de fato, o relacionamento com os outros. Com menos frequência encaramos os outros como uma ameaça a nossa segurança.

A verdadeira segurança vai substituir a dor física e a confusão mental que vivemos no passado.

O amor incondicional que experimentamos vai revigorar a nossa vontade de viver e, para cada atitude positiva da nossa parte, haverá uma oportunidade inesperada. Uma reparação exige muita coragem e fé, e o resultado é o crescimento espiritual.

Estamos nos libertando dos destroços do nosso passado. Vamos querer manter a nossa casa em ordem, praticando o inventário pessoal num ritmo contínuo, no Décimo Passo.

 

O tempo fala por si. A paciência é uma parte importante da nossa recuperação.

Agosto é o mês de…

OITAVO PASSO

 

“Fizemos uma relação de todas as pessoas que tínhamos prejudicado e nos dispusemos a fazer reparações a todas elas”



 

O Oitavo Passo é o teste da nossa recém-encontrada humildade. Nosso objetivo é a libertação da culpa que carregamos até agora. Queremos olhar o mundo de frente, sem agressividade ou medo.”Será que estamos dispostas a fazer uma lista de todas as pessoas que prejudicamos?”


Faremos isso a fim de limpar o medo e a culpa que o passado ainda nos traz. Nossa experiência
já nos demonstra que precisamos sentir boa vontade para que esse possa surtir qualquer efeito. O Oitavo Passo não é fácil; exige um novo tipo de honestidade nas nossas relações com os outros.O Oitavo Passo inicia o processo do perdão. Se perdoarmos os outros, possivelmente seremos perdoadas e, finalmente, nós nos perdoaremos e aprenderemos a viver no mundo. Quando atingimos este passo estamos prontas para compreender mais do que ser compreendidas.


Podemos viver e deixar viver mais facilmente, quando conhecemos as áreas em que devemos reparações.Pode parecer difícil agora, mas depois que
o fizermos,perguntaremos por que não tínhamos feito isso
há mais tempo. É importante que se defina o que é “prejudicar”. Uma definição de prejuízo é dano físico ou mental.Outra definição de prejudicar é causar dor, sofrimento ou perda. O prejuízo pode ser causado por algo que seja dito, feito ou que não tenha sido feito. Podemos ter prejudicado com palavras ou ações, intencionais ou não. O grau de prejuízo pode ser com palavras ou ações, intencionais ou não.


O grau de prejuízo pode variar desde fazer com que alguém se sinta mentalmente desconfortável até o dano físico ou mesmo a morte.

 O Oitavo Passo nos confronta com um problema. Muitas de nós têm dificuldade de admitir que prejudicaram outras pessoas, pois se julgavam vítimas. Temos que separar o que fizeram conosco daquilo que fizemos com outros. Deixamos de lado nossas justificativas e a ideia de sermos vítimas.


Frequentemente sentimos que só prejudicamos a nós mesmas, porém, normalmente nós nos colocamos no último lugar na lista de reparações, quando nos colocamos. Esse passo faz o trabalho externo para reparar os destroços de nossas vidas.


Não nos tornamos pessoas melhores julgando os erros dos outros. O que nos fará sentir melhor é limpar nossas vidas, aliviando a culpa.Escrevendo a lista não poderemos mais negar, admitindo que prejudicamos outras pessoas, direta ou indiretamente, através de alguma ação, mentira, promessa quebrada ou negligência. Encaramos a lista com honestidade, com o objetivo de fazer reparações. O mais importante é que este passo nos ajuda a criar uma consciência de que estamos aos poucos, ganhando novas atitudes em relação aos outros.