OUTUBRO É MÊS DE…

DÉCIMO PASSO

Continuamos fazendo o inventário pessoal e, quando estávamos erradas, nós admitíamos prontamente.

O Décimo Passo nos liberta dos destroços do nosso presente. Se não continuarmos atentas aos nossos defeitos, eles poderão nos levar a um beco sem saída. Se pudermos evitar aquilo que nos provoca a dor, não a sentiremos com tanta intensidade. Continuar a fazer o inventário pessoal significa que criamos o hábito de olhar regularmente para nós mesmas, nossas ações, atitudes e relacionamentos.

Somos criaturas de hábito, e somos vulneráveis a nossas velhas maneiras de pensar, agir e reagir. Às vezes, parece mais fácil continuar no velho trilho da autodestruição do que tentar uma nova rota. Não devemos cair nos velhos padrões. Hoje temos uma escolha.

O Décimo Passo pode nos ajudar a corrigir nossos problemas com a vida e a evitar que eles se repitam. Examine as suas ações durante o dia. Alguns escrevem sobre seus sentimentos, avaliando como se sentiram e qual foi à participação que tiveram nos problemas que tenham ocorrido.

  1. Prejudicamos alguém?
  2. Temos que admitir que estamos erradas?
  3. Caso encontremos dificuldades, nos esforçamos para resolvê-las?
  4. Quando essas coisas ficam pendentes, elas têm um jeito próprio de envenenar o espírito.
  5. Esse Passo pode ser uma defesa contra a velha insanidade. Podemos nos perguntar se estamos nos envolvendo com velhos padrões de raiva, ressentimento e medo.
  6. Sentimo-nos encurraladas?
  7. Estamos arranjando problemas?
  8. Estamos muito famintas, raivosas, solitárias ou cansadas?
  9. Estamos nos levando muito a sério?
  10. Estamos julgando nosso interior pela aparência exterior dos outros?
  11. Estamos sofrendo de algum problema físico?

As respostas a estas perguntas podem nos ajudar a lidar com as dificuldades do momento. Não precisamos mais viver com sensação de mal-estar.

O Décimo Passo pode ser uma válvula de escape. Trabalhamos este passo enquanto os altos e baixos do dia ainda estão frescos na nossa mente. A primeira coisa a fazer é parar! Damos um tempo, e nos permitimos o privilégio de pensar.

Examinamos as nossas ações, reações e motivos. Muitas vezes descobrimos que temos nos saído bem. Isso nos permite verificar nossas ações e a reconhecer os nossos erros, antes que as coisas piorem. Precisamos evitar as racionalizações, prontamente admitindo o erro, não o justificando.

Trabalhar este passo de forma contínua resulta em ação preventiva.

Olhando continuamente para nós mesmas, conseguimos evitar a repetição daquilo que nos torna inadequados. Precisamos deste passo, mesmo quando estamos bem e quando tudo está dando certo. Os sentimentos bons são uma coisa nova para nós e precisamos nutri-los.

Temos o direito de nos sentirmos bem. Temos uma escolha. Precisamos lembrar que todos cometem erros e que nunca seremos perfeitos. Mas podemos nos aceitar.

Prosseguindo com o inventário pessoal, somos libertadas de nós mesmas e do passado. Não justificamos mais a nossa existência. Este passo nos permite ser nós mesmas.

Olhe para si própria, aí se encontram todas as suas respostas.

Deixe uma resposta