Doze Tradições de MADA

  1. Nosso bem-estar comum deve estar em primeiro lugar; o progresso individual depende da unidade de MADA.
  2. Para nosso propósito de grupo, há somente uma autoridade: um Deus amantíssimo que se manifesta em nossa consciência coletiva. Nossas líderes são apenas servidoras de confiança, não têm poderes para governar.
  3. Para ser membro de MADA, o único requisito é o desejo de evitar relacionamentos destrutivos.
  4. Cada grupo MADA deve ser autônomo, exceto em assuntos que afetem outros grupos ou a Irmandade como um todo.
  5. Cada grupo possui apenas um único propósito primordial: Transmitir a mensagem à MADA que ainda sofre.
  6. Nenhum Grupo de MADA jamais deverá endossar, financiar ou emprestar o nome de MADA a qualquer sociedade ou empreendimento alheio à Irmandade a fim de evitar que problemas de dinheiro, propriedade ou prestígio nos desviem do nosso propósito primordial.
  7. Todo Grupo MADA deve ser autossustentável, recusando contribuições de fora.
  8. MADA deverá manter-se sempre não profissional, embora nossos centros de serviço possam contratar funcionários especializados.
  9. MADA jamais deverá organizar-se como tal, mas poderá criar juntas ou comitês de serviços diretamente responsáveis perante àqueles a quem serve.
  10. MADA não opina sobre questões alheias à Irmandade; portanto, o nome de MADA, jamais deverá aparecer em controvérsias públicas.
  11. Nossa política de relações públicas baseia-se na atração não na promoção.  Cabe-nos sempre preservar o anonimato pessoal na imprensa, rádio, filmes, televisão ou em outros meios públicos de comunicação.
  12. O anonimato é o alicerce espiritual de nossas Tradições, lembrando-nos sempre de colocar os Princípios acima das personalidades.

(Elaboradas a partir das Doze Tradições de Alcoólicos Anônimos)

Deixe uma resposta