SEJA BEM VINDA!

Este é o site dos grupos de Mulheres que Amam Demais Anônimas
do Estado de São Paulo

Neste site você poderá encontrar informações sobre o Grupo MADA, nossos endereços e um pouco sobre como funciona a recuperação para mulheres que amam demais, através dos nossos 12 Passos, 12 Tradições e Lemas.

Aqui também procuramos informar sobre os eventos abertos da Irmandade, bem como publicar depoimentos anônimos de integrantes do grupo, partes de nossa literatura autorizada e meditações diárias.

Caso você se identifique como uma mulher que ama demais e deseja participar do grupo MADA, basta comparecer a uma reunião. Você será muito bem vinda, as portas estão sempre abertas!

Paz e serenidade por 24 horas!

Os comentários são moderados. Caso queira esclarecer alguma dúvida ou ter uma resposta em particular adicione o seu e-mail no final da mensagem ou mande um email para coord.madasp@gmail.com

43 comments

  1. Gabriela says:

    Tenho 30 anos e estou numa condição interna muito grave. Não falo com ninguém a respeito, porque sempre tenho a impressão de que ninguém me entende. Estava procurando um grupo de apoio e encontrei vcs, mas estou em Indaiatuba e não tenho como ir até Campinas para frequentar as reuniões. Ouvi dizer que vcs tem sessões online…tem algum link ou mais informações pra eu acessar?

  2. yasmim says:

    Olá! Já me foi recomendado diversas vezes que eu participasse do grupo. Sempre tive muita dificuldade em relacionamentos, por ser muito impulsiva e não saber lidar com o que eu sinto. Inclusive, tive algumas overdoses no passado por sentir uma tristeza e ansiedade que pareciam tão fortes que eu sentia como se meu “eu” (quem eu sou, minhas experiências, meu passado e presente) fosse maior que minhas dimensões físicas. Basicamente, eu sentia como se eu não coubesse em mim mesma. Por isso tomei vários remédios, para ficar inconsciente, anestesiada de tudo o que tava acontecendo comigo. Nesses últimos 6 meses, consegui manter um relacionamento e estávamos muito bem, tivemos momentos lindos. Tinhamos planos. Até que ontem, ele me mandou uma MENSAGEM dizendo que conheceu outra mulher há 2/3 semanas e que precisa de um tempo. Eu simplesmente não consigo encerrar por completo e, por isso, cedi. Decidi dar o tempo que ele precisa, porque disse que está “confuso”. Eu não sei o que fazer e preciso muito mesmo de ajuda. Como faço para participar do grupo?

  3. Alice says:

    Olá, companheiras!

    Há mais ou menos 4 meses conheci a sala de Mada da minha cidade. Já frequentava psicólogos e psiquiatras há pelo menos 4 anos e nada diminuía o meu sofrimento. O objeto do meu amor, da minha obsessão, é minha família e em maior grau, minha mãe. Fiquei endividada, deprimida, quase cheguei ao suicídio. Hoje, apesar de ter um bom salário, quase não tenho renda para minhas necessidades, já que tudo está comprometido em prestações que fiz para “ajudar os meus irmãos” e quando peço devolução, ainda me xingam dizendo que não os deixo em paz. Depois que comecei a frequentar o Mada, minha vida está mudando. Hoje já sei falar não, passei a me valorizar e a cuidar de mim mesma. Meus familiares estão me criticando pelas mudanças, dizendo que deixei de ser “boazinha” e “solícita”, que não sou a mesma pessoa, que já não quero mais ajudar ninguém e que sou uma má pessoa, que ando errado na rua porque namoro e que estou abandonando minha mãe. Tinha 3 empregos, trabalhava cerca de 16h por dia. Quanto mais dinheiro eu ganhava, mais eu precisava. Ajudei a comprar casa, apartamento, carro, enquanto eu não tenho nem onde morar, fico de favor na casa do meu namorado e nem sequer posso entrar na única casa que meu pai deixou de herança (e que por sinal está fechada e abandonada), pois não pago mais as contas da casa sozinha (chamei todos a partilhar, mas eles dizem que é minha responsabilidade e que só poderei entrar quando pagar) . Meu maior desafio tem sido entregar tudo nas mãos do Poder Superior, mas dia após dia vou construindo meu novo caminho. Quando somos co-dependentes, não percebemos os prejuízos cotidianos que temos, tanto financeiramente, quanto emocionalmente e pessoalmente. Nos doamos ou nos dedicamos de tal forma que se quem está do outro lado não é uma boa pessoa, certamente seremos até vítimas de crimes. Não somos pessoas donas de nossas consciências: pensamos para o objeto do nosso amor, respiramos por ele, nos matamos porque queremos fazê-lo feliz a qualquer custo, mesmo que isso custe a nossa felicidade, nossa saúde, nosso bolso e nossa liberdade. O Mada tem me mostrado que posso ser feliz, leve, sem carregar esses pesos que eu mesma criei. Não sou vítima das circunstâncias: apenas preciso aceitar que elas existem e não depende de mim mudá-las, mas depende de mim a mudança do meu comportamento diante delas. Só por hoje eu não quero mais sofrer. Obrigada, Mada, por ter salvado minha vida!

    • Intergrupo MADA SP says:

      Olá Bárbara! MADA não cobra taxas nem mensalidades, nenhum valor para participação. Você nunca será obrigada a contribuir com nenhum valor. As companheiras que já frequentam MADA costumam contribuir de acordo suas capacidades e vontade, conforme nossas Tradições.

      Basta comparecer, você será muito bem vinda!

  4. Amanda Sorrilha says:

    Oi, preciso muito de ajuda de vcs, estou em um relacionamento abusivo e nao sei como lidar o que fazer, por favor me informem se houver alguma Mada aqui em Maringá- pr preciso muito de ajuda… 🙁

  5. Camila says:

    Ola,
    Voces tem algum grupo em Ingles ou com sede em Cingapura.
    EU ja participei do grupo e tive muita ajuda e uma amiga que nao fala portugues me perguntou se existe MADA fora do Brasil.

    Obrigada

  6. Cleide Correia says:

    Namoro a 5 anos e meu namorado tem trauma de casamento e mesmo ele terminando comigo dizendo q me ama mas nao o suficiente pra casar fico correndo atrás dele me humilhando to desesperada quero esquece lo nao quero ficar correndo atrás dele como uma cachorrinha me ajudem por favor

  7. Melissa andrade says:

    Eu estou a 6meses sofrendo me sintindo abandonada por um termino de um relacionamento. Vivo a base de calmantes , cheguei a beira da loucura faço tratamento.psiquiatrico moro em santo andre no abc ! socorro

  8. Alessandra says:

    Olá!

    Meu nome é Alessandra e estou passando por um momento muito conturbado na minha vida. Depois de 14 anos de relação e 1 de casada, estou me separando a pedido do meu esposo… ele diz que sou controladora e eu tenho uma dificuldade imensa em me desapegar dele! Preciso de ajuda… gostaria de participar das reuniões de sexta a noite no Tatuape… estou tentando criar coragem pra isso!

    • Intergrupo MADA SP says:

      Bom dia Alessandra! Compareça o mais rápido que puder em uma reunião! Não só encontrará ajuda como conforto e compreensão de quem já passou ou está passando pela mesma situação que a sua!Será muito bem vinda!
      Coragem e Serenidade!

  9. Tina says:

    Meu psiquiatra me recomendou uma visita ao MADA, visitei o site e até achei interessante mas achava que não era o que eu queria ou precisava, isso faz mais de um ano já. Tornei-me uma pessoa que nem eu me reconheço mais, o triste é pensar que sempre fui essa pessoa degradante e que o fim do meu casamento só ressaltou isso. As pessoas não entendem a dor que toma conta da alma e acham que escolho viver assim. Me dedico de verdade à todos e tudo que recebo de volta é indiferença. É bem difícil viver num mundo onde todos parecem lidar muito bem com seu problemas e dificuldades e você ser a única estúpida e incapaz de lidar com os seus. A única coisa que parece fazer sentido e porá um fim nesta dor é a morte, mas eu sou tão desprezível que nem coragem para tirar minha própria vida eu tenho. Dediquei 10 anos de minha vida em um casamento que acabou sem prévio aviso, ou mais uma vez minha estupidez não me deixou enxergar os sinais de que tudo chegava ao fim. Amar dói e dói muito! Essa dor te leva por caminhos que jamais pensou em trilhar, te traz pensamentos tão ruins que faz você pensar que perdeu a sanidade. Você pode chorar dias seguidos e a dor não diminui. A única coisa que me pergunto é: Para quê tudo isso? Para que esse que chamamos de criador criou criaturas tão nefastas como o ser humano? Para que permitiu que eu nascesse? Tantas pessoas morrem antes de nascer, tantas pessoas “boas” morrem e porque eu tenho que permanecer nesse mundo horrível que não me traz nada de bom?
    Eu não quero mais viver, não quero mais pessoas em minha minha, elas me fazem mal, me prejudicam, me usam e descartam quando não precisam mais…
    Queria arrancar meu coração para que não mais doesse como dói, apesar de saber que a dor é sentida no cérebro e refletida no coração, então talvez devesse extirpar o cérebro e por fim a todas as dores!

  10. Aline says:

    Oi sou Aline estou em um relacionamento a 6 anos, onde já fui traída, humilhada, ofendida, agredida, desprezada e msm assim eu não consigo para d amar meu marido. quase todas as noites deito decidida em terminar tudo mais logo q amanhece meu primeiro pensamento é nele. preciso d ajuda para eu mudar essa situação em minha vida. queria saber s tem um Mada aki em salvador ou algum grupo ou no face ou no whatsapp para pessoas q não tem o Mada por perto. obrigada

  11. debora says:

    Oi meu nome e debora tenho 25 anos sou casada a 10 anos tenho um casamento conturbado e difícil e com várias separação da parte dele pois eu mesmo mesmo passando por tudo o que passo não me vejo sem ele sofro por ver ele me humilha a não ter reação de seguir sem ele gostaria de saber se vocês pondem me ajuda

    • Intergrupo MADA SP says:

      Olá Débora! Sugerimos que procure um endereço de MADA mais próximo de sua região! Entre em nossa aba de endereços, o MADA tem salas em várias localidades de São Paulo! Temos também reuniões online casso esteja impossibilitada de frequentar uma reunião presencial! Paz e Serenidade!

    • Intergrupo MADA SP says:

      Olá Lena! Sugerimos que procure um endereço de MADA mais próximo de sua região! Entre em nossa aba de endereços, o MADA tem salas em várias localidades de São Paulo! Temos também reuniões online casso esteja impossibilitada de frequentar uma reunião presencial! Paz e Serenidade!

Deixe uma resposta